Enquanto a sociedade percebe e se organiza para o enfrentamento da violência nas escolas, a AMME Evangelizar ajuda as igrejas evangélicas a oferecer uma resposta mais completa e efetiva.

Diante de uma crescente escalada da violência nas escolas, a sociedade se mobiliza e descobre a VRC – Violência Repetida entre Colegas ou bullying, como é denominado este tipo de violência no exterior. Pelo esforço de ONGs e também da AMME Evangelizar, o que era antes conhecido como brincadeira, começa a ser desvendado em sua face mais destrutiva. Infelizmente, sem perceber a dimensão espiritual da violência, a sociedade não é capaz de combatê-la com efetividade.

As pesquisas da AMME, dentro do conceito de Evangelização Total, conduziram ao entendimento de que a VRC é a principal estrutura de pecado que afeta a vida de adolescentes entre 12 e 14 anos de idade. Embora aconteça em outras idades, cerca de 100% dos adolescentes mais jovens participam da Violência Repetida entre Colegas, seja como alvo, autor ou testemunha, e às vezes em mais de uma categoria.

As características desse mal são expressas no nome dado pela AMME: Violência – porque, longe de ser brincadeira de crianças, é altamente destrutiva do caráter, podendo afetar psiquica e fisicamente a todos os envolvidos; Repetida – porque acontece no circuito fechado da escola, da comunidade ou da internet, e assim potencializa o dano que causa; Entre Colegas – porque acontece entre pessoas de idade muito próxima, que convivem em um mesmo ambiente, tornando-se especialmente ruim porque vem do grupo em que a pessoa deveria ser aceita.

Autores, alvos e testemunhas da VRC são igualmente afetados. Os autores, frequentemente aprenderam a relacionar-se através da violência em lares disfuncionais, e estabelecem o comportamento violento como senha para os grupos que formam. Mais tarde, repetirão o ciclo destrutivo nos relacionamentos familiares e no ambiente de trabalho. As testemunhas silenciosas aprendem o caminho da covardia, enquanto os alvos da violência sofrem marcas profundas em sua auto-estima, que muitas vezes não serão superadas durante toda a vida.

Considerando a VRC como principal estrutura de pecado que afeta adolescentes entre 12 e 14 anos, a AMME detectou que a ignorância sobre o tema é a principal base de apoio dessa estrutura. Adultos que consideram a VRC como “brincadeira de criança” ignoram sua destrutividade e não cooperam para seu enfrentamento. Sem entender o tema, os adolescentes envolvidos são levados pelo mal, sem ter um repertório de opções ao comportamento violento.

A proposta da AMME é que a Igreja Evangelica, encarregada pelo Senhor a anunciar o Evangelho da Paz, ensine as pessoas a conviver pacificamente. Para isso desenvolvemos o programa “Caminho da Paz”. Baseado na Parábola do Bom Samaritano, o programa da AMME apresenta um repertório com sete opções de comportamento anti-violência. Também leva o tema a ser discutido em sete debates que abrirão os olhos dos participantes. Também o fruto do Espírito, em seus nove aspectos é ensinado através de Provérbios.

Com esse material as igrejas evangélicas podem propor ações de combate à Violência Repetida entre Colegas nas escolas e nas comunidades. Campanhas que incluam uma sequência de encontros para debate do tema e atividades culturais, trarão maior conhecimento da Verdade sobre o tema e libertação dessa estrutura que escraviza e destrói as pessoas.

O programa “Caminho da Paz” é um dos cinco programas que integra a campanha BRASIL2010 da AMME que, em seu décimo aniversário, trabalha apra ajudar 10.000 igrejas a apresentar o Evangelho a 20.000.000 de pessoas.

 

                     Artigo tirado do site: http://www.evangelizabrasil.com